Eliminar humidade em paredes e telhados

Saiba como combater humidade nas paredes e telhados de sua casa.

Revestimento da parede interior:
Aplique um revestimento transparente para paredes interiores, em 2 camadas, para além da zona húmida, com a trincha. Este produto forma uma barreira estanque entre a parede húmida e o revestimento e pode, graças ao seu carácter permeável, ser recoberto de tinta ou papel de parede.

O isolamento exterior:
Uma parede plana pode ser recoberta, no exterior, por perfis de PVC ou por placas de madeira, fixadas elas mesmas sobre uma guarnição de madeira. Coloque entre a parede e o recobrimento um isolante munido de um guarda-vapor que deverá encontrar-se ao lado da parede. Deixe espaço suficiente para a ventilação.

A limpeza:
É evidente que a base deverá estar bem limpa antes da aplicação de uma protecção contra a humidade, seja ela qual for. O ensaibramento hidráulico, efectuado com a ajuda de uma máquina de alta pressão, é muito eficaz para limpar paredes, chão e telhados. (Em seguida lave e deixe secar).

As superfícies gordurentas:
Para verificar se uma superfície é gordurenta, deite-lhe umas gotas de água. Se estas forem absorvidas ao fim de um minuto (máximo), a superfície não é gordurenta e a sua aderência é boa. Senão aplique com a trincha um desengordurante (tricloroetileno por ex.), depois lave -a.

A borracha líquida:
Os telhados planos estão sujeitos às infiltrações de humidade. Uma vez revestidos de uma camada de fundo, são tratados com borracha líquida (aplique com rolo, a frio, em duas camadas). A borracha infiltra -se completamente nos poros e irregularidades e forma uma camada estanque protectora.

As tintas:
As tintas velhas, escamadas ou fissuradas não permitem a aplicação de produtos hidrófugos. Para as retirar, raspe-as ou melhor ainda, recorra ao ensaibramento hidráulico. As tintas em bom estado deverão ser lavadas com detergente (lave e deixe secar). Elimine a ferrugem.

Combater a humidade as paredes duplas:
As paredes duplas oferecem uma melhor protecção contra a humidade. A água da chuva atravessa o paramento exterior para se escoar no espaço vazio intermediário, sendo assim evacuada por um avental de chumbo e pelas junta verticais deixadas abertas. O paramento interior permanece perfeitamente seco.

A manutenção das juntas:
As juntas permanecem o ponto fraco das paredes de alvenaria, duplas ou não. Depois de algum tempo, elas gelam, esboroam-se e não oferecem mais resistência à água. Retire então argamassa velha, com o martelo e o cinzel, ou com a ajuda de um rascador, até uma profundidade de 15 mm.

O isolamento das paredes duplas:
Para isolar uma parede dupla (evitar a condensação) encha o espaço vazio parcialmente, afim que subsista suficiente espaço para a evacuação da água. As placas de poliestireno não absorvem a água. Trate de preferência o paramento exterior contra as infiltrações com um revestimento.

As fissuras superficiais:
O revestimento das paredes exteriores pode comportar pequenas fissuras superficiais. Se o seu tamanho for modesto, deverá tratar rapidamente toda a fachada com um revestimento impermeável, elástico e recobridor anti-fissuras. Estes são geralmente de um branco fresco.

Infiltração das águas das chuvas nas paredes exteriores:
As águas da chuva infiltram-se de diversas formas numa construção, pelas fendas ou pelos poros do material. A parede mais ameaçada é geralmente aquela que faz face ao vento dominante, este último junta a sua força à queda de água. As paredes impregnadas de humidade tornam-se baças e inestéticas. Os seus poros superficiais engorduram-se, e não somente o cimento se fissura à superfície, mas a pintura estala. No interior o papel de parede descola-se, a pintura desprega-se e reina uma atmosfera húmida.

As fissuras importantes:
As fissuras importantes deverão ser abertas com um cinzel (com 7-8 mm de largura e 1 cm de profundidade). Limpe-as, aspire-as e encha -as com um mástique que possa ser pintado. A pistola permitirá extrair o mastique do cartucho. Alise com a betumadeira e trate a parede.

A elasticidade das paredes exteriores:
A grande vantagem dos produtos de revestimento hídricos relativamente às tintas, é que eles são evidentemente muito mais elásticos e acompanham, por conseguinte, melhor as deformações e o trabalhar da construção. Estes retardam claramente o aparecimento de fissuras.

A porosidade :
Aplica-se um revestimento sobre paredes pintadas ou revestidas, depois de uma camada de fundo feita do mesmo produto, diluído e espalhado à trincha. Ao fim de algumas horas, já é possível aplicar uma camada não diluída. O acabamento dependerá da ferramenta utilizada.
Sobre uma parede de pedra ou de tijolos, passe (com trincha, rolo ou pistola) um produto incolor impermeabilizante. Aplique-o em duas ou três camadas sucessivas, por pequenas superfícies, enquanto o fundo absorve o produto até à saturação.

As caixilharias:
As uniões entre as caixilharias e as paredes devem, se estiverem em mau estado, ser tratadas com um enchimento em silicone ou com espuma de poliuretano. Esta é tão expansível que lhe é suficiente encher metade da fenda, que estará completamente cheia depois de secar.

Drenagem do solo:
Se for necessário construir uma casa sobre um terreno húmido, coloque os drenos perfurados, (envolvidos em fibra de coco que tem a função de filtrar e evitar que os drenos entupam). Tenha em consideração uma inclinação regular e cubra os drenos com areia. Ligue os drenos à evacuação dos algerozes.

As paredes enterradas:
Em caso de chuva, a água infiltra-se no chão e procura penetrar na parede enterrada para subir. Desenterre a parede, se possível até ao início da fundação, e limpe -a. Aplique de seguida duas camadas de borracha líquida, com um pincel, e torne a colocar a terra no sitio.

Barreiras dentro da alvernaria:
No momento da construção das paredes, prevê-se geralmente uma barreira de impermeabilização, é o mesmo que dizer um revestimento betuminoso, um avental de chumbo ou uma película de plástico, integradas na parede, junto ao nível do chão e à mesma altura em todo o perímetro da casa.

Casa já construída:
Se a casa foi construída sem barreira de impermeabilização, deve fazer rasgos de escoamento em toda a extensão da parede (com uma rebarbadora), mas deixando, sempre depois de um metro de rasgo efectuado, outro metro de parede intacto, afim de não enfraquecer a construção.

A altura apropriada:
A barreira de impermeabilização deverá encontrar-se na face exterior da parede, acima do nível térreo, e atrás do rodapé na face interior (no limite de revestimento). A humidade do solo não deverá entrar em contacto nem com a parede nem com o revestimento.

Injecções de resina:
A alvenaria pode perfeitamente tornar-se impermeável através de injecções de resinas sintéticas. Para impermeabilizar também as camadas mais baixas das paredes, poderá efectuar uma nova barreira de impermeabilização. Se necessário, trate também, os paramentos interno e externo das paredes duplas.
Deverá esperar alguns meses para estar certo do êxito dos trabalhos. Conte 5 ou 6 meses para a humidade existente nas paredes se evaporar. Se no fim desse período constatar ainda uma humidade anormal, repita a intervenção.

A perfuração:
A 15cm do chão, e de 15cm em 15cm, execute furos inclinados, até ¾ da espessura da parede. O produto espalha-se geralmente por um raio de 20 cm à volta do furo. Fure se possível nas juntas verticais que contêm menos argamassa e deixam mais facilmente passar as resinas.

As fissuras:
Tanto quanto possível, lute contra a humidade exterior da casa. No caso de problemas deverá tratar também as paredes interiores. As fissuras superficiais devem ser revestidas com um produto de enchimento, e as fendas mais importantes com mástique elástico.

As fundações:
Sob o nível do chão, utilize um produto de impermeabilização que não forme uma película à superfície do material, mas que penetre dentro dos poros para neutralizar a humidade. Espalhe a primeira camada com uma trincha macia, sobre suporte seco, depois aplique mais 2 ou 3 camadas suplementares.

A impermeabilização:
Depois da impregnação, e uma vez que a parede esteja bem saturada, os furos deverão ser tapados com argamassa hidrófuga. É preferível esperar até 6 meses para esta fase das operações, quer dizer, assim que estiver seguro do sucesso do seu trabalho.

Assegure -se de que as suas guarnições estão bem vedadas. Na altura de colocar as guarnições, a espuma de poliuretano oferecer-lhe-à ao mesmo tempo um bom isolamento e uma impermeabilização satisfatória.

Retirar pintura e bolor:
Os traços húmidos que se formam no interior da parede podem ser tratados com um produto impermeabilizante.
Antes de mais, retire a pintura escamada ou o papel com a ajuda de uma escova de pêlos duros ou de uma espátula. Elimine o bolor com uma escova e água, senão ele ressurgirá.

Os telhados inclinados:
As telhas partidas deverão ser substituídas rapidamente. Impregne ardósias, telhas porosas ou fibrocimento com um produto “respirador” (eventualmente transparente) que tapará os poros para que a chuva e a humidade não se infiltrem mais. Aplique o produto com pincel ou pistola.

A condensação:
A humidade do vazio sanitário, (caixa de ar, por exemplo), é sempre superior à do ar ambiente. Se o chão tiver furos, uma parte da ventilação efectua-se pelo vazio sanitário (isto é devido ao efeito de chaminé), torne-o estanque (em volta dos tubos por ex.) com espuma de poliuretano.

Impermeabilizar telhado / chaminés:
As junções entre dois materiais diferentes são frágeis, como esta de um telhado e o cano da chaminé. Para tapar as fendas e melhorar a impermeabilidade, utilize telas de impermeabilizar especiais, por exemplo tela de alumínio que depois revestirá com uma camada betuminosa (mástique).

O absorvente de humidade:
Os locais fechados e insuficientemente arejados e sujeitos a súbitas e importantes variações de higrometria, podem ser protegidos por uma absorvente de humidade com recargas ou por um desumidificador eléctrico cujo condensador capta a humidade ambiente para a colectar.

O isolamento das paredes:
A condensação forma -se também sobre as paredes mal isoladas. Um isolamento correctamente colocado, com um guarda-vapor face quente, evita a instalação de humidade na parede. Não esqueça que a humidade diminui o poder isolante dos materiais: proceda com cuidado.

Mástique e fibra de vidro:
O mástique para telhados impermeabiliza fendas ou junções. Para as superfícies secas ou húmidas, utilize um mástique em borracha. Em numerosos casos pode ser desejável, para melhorar a sua resistência, aplicar, entre duas camadas de mástique, uma faixa de tela de fibra de vidro.

As paredes friáveis:
Suprima as partículas que se destacam das superfícies friáveis, com a ajuda de uma escova de nylon dura. Alargue as fissuras com o rascador triangular. Em seguida, aplique (à trincha) uma camada de fundo que reforçará o suporte, diminuirá a sua porosidade e aumentará a sua aderência.

O revestimento decorativo:
Este produto tem o aspecto da pintura e pode ser facilmente aplicado a pincel, rolo ou pistola. Ele endurece em contacto com a humidade do ar. É extremamente duro e resistente, e apesar disso elástico.

A ventilação:
O ar frio que entra na divisão ao aquecer fica carregado de humidade. Para evacuar este ar saturado de água, preveja duas aberturas de ventilação (uma alta e uma baixa), por divisão húmida, ou dispositivos de ventilação controlados (o ar viciado é assim aspirado por extracção mecânica e substituído por ar novo).

A borracha líquida:
Os ladrilhos que descolam do pavimento, as junções bolorentas, os vestígios de humidade ou o chão molhado por tempos de chuva, permitem a infiltração de água no chão de casa. Elimine o revestimento existente, aplique borracha líquida em duas camadas e renove o revestimento.

As paredes de betão:
Utilize um líquido especial misturado com areia fina. Aplique esta mistura com a colher de pedreiro, nas ligações entre as paredes e o chão, nos ângulos reentrantes, assim como nos buracos ou locais danificados. Revista estas superfícies com uma solução de poliuretano espalhado com trincha em 2 camadas.

Os vernizes:
Um verniz impermeável à base de poliuretano (especial para cimento e betão) deverá ser aplicado em 2 ou 3 camadas ( a primeira com pincel). Este produto que não se estraga pode mesmo beneficiar de uma acabamento “antiderrapante”, sob a forma de areia seca espalhada sobre a segunda camada antes da secagem.

Os locais húmidos:
Algumas divisões são húmidas devido à actividade para as quais estão destinadas: cozinhas, lavandarias, casas de banho e mesmo quartos de dormir.
A humidade dirige-se do calor para o frio, instalando-se, por isso, nas paredes cheias, ou sobre o paramento externo das paredes duplas.
A condensação não aparece somente no interior das janelas, mas também nas canalizações da água, mais frias que o ambiente, estas canalizações estão integradas na parede, a condensação pode ser permanente, daí a aparição de zonas húmidas.

Reparar debaixo de chuva :
É necessário por vezes reparar as infiltrações sem demora, para evitar estragos mais graves, mesmo se a operação tiver de ser efectuada debaixo de chuva. Para estas reparações urgentes, existem produtos especiais sob forma de massa (a aplicar com rolo ou com trincha).




27 Comments

  1. Lucia Sobrinho Responder
  2. Pedro Monteiro Responder
      • Pedro Monteiro Responder
  3. Roseli Responder
    • João Responder
  4. aurora Responder
  5. António Veiga Responder
  6. valdemiro Responder
  7. JNILSON Responder
  8. Jeverson Responder
  9. carlos alexandre Responder
  10. Carlos Lopes Responder
  11. sandro Responder
  12. Anónimo Responder
  13. Anónimo Responder
  14. Anónimo Responder
  15. Anónimo Responder
  16. Elza Maria Salesse Responder
  17. Sandra Onofre Responder
  18. ribamar Responder
  19. helena sousa soares Responder
  20. Nelson Responder
  21. maria Responder

Deixar Comentário